Buscar
  • rodolfominari

NO MEIO DO MATO

É no meio do mato que eu moro

Em cima daquele barranco

Se pareço estranho a seus olhos

Saiba que aqui você é muito mais

Pois olha o seu passo inseguro

Com medo que o barro te possa sujar

Eu sou feito da lama de Nanã

Eu nasci nesta terra, é aqui meu lugar

Quando venho descendo este rio

Se escuto cantar o aracuã

Solto a lança e o jacumã

A rede das garças desfio

Deixo o barco ir correndo de bubuia

E me quedo olhando o sol se por

Junto as mãos quase em prece, quase em cuia

Pra colher todo licor

Sou Tapuia, e onde for

Venho e vou e sou Tapuia

Meninos, eu vi minha tribo

Numa aldeia Tupi

Ói passarim machucado

Se cai do periantã

Do seu peito é alimentado

O mandim e o matrinchã

Sou curumim regalado

Sou indiozinho que brinca

Sou uma criança ashaninka

Corro e pesco e canto e nado

Meninos, eu vi minha tribo

Do outro lado, e corri

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Eu já fui velho, só andava de bengala Eu já fui homem, tudo tinha hora marcada Eu já fui moço namorando a madrugada E agora sou criança jogando bola na sala Ai, ai, maldade do tempo Que nunca deixou d

Preciosa és, minha vida Frágil porcelana, pó Num fio corrediço, nó Das miudeas, guarida A sombra do meu ipê O cheiro de já chovê A roupa a ser recolhida Pássaro ligeiro és, vida Cavalo que vara o vent

Com esse tantinho de água e sabão, Dondó lavou a roupa da cidade inteira Com o mesmo tantinho de água nas mãos, a filha de Dondó curou minha canseira Lavou dor, lavou mágoa com esse tantinho de água D