Buscar
  • rodolfominari

NO MEIO DO MATO

É no meio do mato que eu moro

Em cima daquele barranco

Se pareço estranho a seus olhos

Saiba que aqui você é muito mais

Pois olha o seu passo inseguro

Com medo que o barro te possa sujar

Eu sou feito da lama de Nanã

Eu nasci nesta terra, é aqui meu lugar

Quando venho descendo este rio

Se escuto cantar o aracuã

Solto a lança e o jacumã

A rede das garças desfio

Deixo o barco ir correndo de bubuia

E me quedo olhando o sol se por

Junto as mãos quase em prece, quase em cuia

Pra colher todo licor

Sou Tapuia, e onde for

Venho e vou e sou Tapuia

Meninos, eu vi minha tribo

Numa aldeia Tupi

Ói passarim machucado

Se cai do periantã

Do seu peito é alimentado

O mandim e o matrinchã

Sou curumim regalado

Sou indiozinho que brinca

Sou uma criança ashaninka

Corro e pesco e canto e nado

Meninos, eu vi minha tribo

Do outro lado, e corri

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

CONTAGEM

Uma criança que chora Dois pais prestando atenção Três filhos do mesmo chão Quatro, que vem sem demora Cinco anos de ilusão Seis de trabalhos ingratos Sete comendo de um prato Oito rosários em vão Nov

IDADES

Eu já fui velho, só andava de bengala Eu já fui homem, tudo tinha hora marcada Eu já fui moço namorando a madrugada E agora sou criança jogando bola na sala Ai, ai, maldade do tempo Que nunca deixou d

VIDA

Preciosa és, minha vida Frágil porcelana, pó Num fio corrediço, nó Das miudeas, guarida A sombra do meu ipê O cheiro de já chovê A roupa a ser recolhida Pássaro ligeiro és, vida Cavalo que vara o vent

Editora3Serpentes©2018

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now